Curriculo na Escola

Eliane Winck [1]



O currículo é o projeto que determina os objetivos da educação escolar e propõe um plano de ação adequado para a consecução de ditos objetivos. O currículo especifica o que, como e quando ensinar e o que como e quando avaliar. A escola, não é apenas um espaço social emancipatório ou libertador, mas também é um cenário de socialização da mudança. A prática do currículo é geralmente acentuada na vida dos alunos estando associada às mensagens de natureza afetiva e às atitudes e valores.
O Currículo educativo representa a composição dos conhecimentos e valores que caracterizam um processo social. Ele é proposto pelo trabalho pedagógico nas escolas. O currículo é uma construção social, conhecimentos e prática exposta ás novas dinâmicas e reinterpretados em cada contexto histórico. O currículo é em outras palavras o coração da escola, o espaço central em que todos atuamos o que nos torna, nos diferentes níveis do processo educacional, responsáveis por sua elaboração. São as experiências escolares que se desdobram em torno do conhecimento, em meio a relações sociais, e que contribuem para a construção das identidades de nossos estudantes.
Segundo Elvira Souza (2005) “Currículo, cultura e conhecimento” O aluno constitui conhecimentos por meio de estratégias específicas que se modificam, inclusive, em função dos conteúdos aprendidos.
“A aprendizagem é um processo múltiplo, isto é, a criança utiliza estratégias diversas para aprender, com variações de acordo com o período de desenvolvimento. Desta forma, todas as estratégias são importantes e não são mutuamente exclusivas.”
O Currículo, não é imparcial, é social e culturalmente definido, reflete uma concepção de mundo, de sociedade e de educação, implica relações de poder, sendo o centro da ação educativa. O currículo oculto está presente no cotidiano escolar sob a forma de aprendizagens não planejadas. Ele é o resultado relações interpessoais desenvolvidas na escola, da hierarquização entre administradores, direção, professores e alunos e da forma como os alunos são levados a se relacionarem com o conhecimento. No cotidiano escolar, os alunos são desenvolvem saberes que não constam nos planejamentos. Alguns, inclusive não são desejados pelos professores e são aprendidos através das rotinas.
A escola produz tipos particulares de conhecimentos em concordância com as relações sociais de produção capitalista, entre os quais a obediência, o trabalho alienado com avaliação externa e outros, as regularidades, a improvisação, as rotinas cotidianas utilizadas pelos professores, os valores, a hierarquização das relações no interior das escolas e a concepção de conhecimento presentes na escola.
 O currículo oculto tem sido identificado na minha escola como:
  • Práticas e métodos utilizados
  • Resultados da escolarização não previstos ou não pretendidos explicitamente
  • Subproduto do currículo acadêmico
  • Conjunto de fatores modeladores de aprendizagens não acadêmicas e não mensuráveis nos alunos
  • Contexto social no qual tem lugar a escolaridade, e que implica que os alunos alcancem modos de pensar, normas sociais e princípios de conduta, dada a sua prolongada exposição a esse ambiente.
  • A forma como a escola incentiva a criança chamar a professora, a maneira como arrumamos as carteiras em sala de aula, as visões sobre a família que ainda encontramos em certos livros didáticos, tudo isso é currículo oculto e que às vezes pode até oprimir alguns de nossos alunos. Assim podemos afirmar é por meio do currículo que as coisas acontecem na escola.
O papel do educador no processo curricular é assim um dos grandes artífices, queira ou não, da construção dos currículos que se materializam nas escolas e nas salas de aula.

Referencias bibliográficas
LIMA, Elvira Souza. Currículo, cultura e conhecimento. São Paulo, Editora Sobradinho107, 2005.
MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa - Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura / [Antônio Flávio Barbosa Moreira, Vera Maria Candau]; organização do documento Jeanete Beauchamp, Sandra Denise Pagel, Aricélia Ribeiro do Nascimento. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.
 [1] Coordenadora Pedagógica da Emeb. Profª. Maria Barbosa Martins – Psicopedagoga com habilitação  nas  série iniciais  em Magistério e  Pedagogia -  Instituto cuiabana de Educação – curso de Extensão: Educação Integral - UFMT

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto Hispano Hablante

Oficinas de Cururu e Siriri

Projeto " Xô Mosquito da Dengue"