Folclore e as Práticas Sociais

Eliane Winck [1]

Nossa reflexão parte do principio de que folclore é o conjunto de manifestações artísticas e culturais de nossa sociedade. Essas manifestações se encontram inseridas na diversidade cultural e se perpetuam de geração em geração. Estão presentes nas brincadeiras, nas músicas, na literatura, nas artes, na alimentação, no vestuário na oralidade e religiosidade popular. Todo e qualquer ser humano tem cultura e partindo deste principio a afirmação parece obvia, não é em sua gênese, pois há muita gente ainda que pensa não ter cultura. Por isso é importante ressaltar esta obviedade. A cultura, atualmente, tem sido conceituada de maneira contraditória. Há quem diga que cultura é fruto, apenas, de conhecimento das pessoas altamente estudiosas, ou seja, pessoa que tem bagagem de estudos acadêmicos e ao longo de sua trajetória de formação apropriou-se desta gama de conhecimentos que se manifestam a cada época ou período numa rotina anual.
Quando falamos em cultura, estamos falando de construção social, de modo de vida particular que cada sociedade tem em se organizar. Essa forma de organização valorizar a identidade da sociedade. Cada grupo possui sua própria cultura, que podem coincidir com as de outras, mas cada uma em sua particularidade, e que podem sofrer mudanças para adaptação da realidade.
O folclore tem como característica principal a tradição de um povo. È o conjunto das criações de uma comunidade, baseado nas suas tradições expressas individual ou coletivamente, representativo de sua identidade social. No entanto, o povo modifica suas manifestações e reproduz a cultura erudita não só porque é seduzido Poe esse modo de vida, mas porque encontra falsamente na imitação a seus superiores uma capacidade de superação.
Segundo Santos, (1987) “O que é cultura”, diz que as várias formas de entender o que é cultura resultam de preocupações que podem ser identificadas em duas concepções básicas:
“A primeira dessas concepções preocupa-se com todos os aspectos de uma realidade social. Assim, cultura diz respeito a tudo aquilo que caracteriza a existência social de um povo ou nação, ou então de grupos no interior de uma sociedade. (...) vamos á segunda. Neste caso,quando falamos em cultura estamos nos referindo mais especificamente ao conhecimento,ás idéias e crenças, assim como ás maneiras como eles existem na vida social”.
Enfim cada cultura tem seu valor específico que só é compreendido por quem faz parte dela. Possui um determinado valor para um povo e que para outras culturas poderá parecer um absurdo. A escola vem refletir sobre essa diversidade cultural que fazer parte das comunidades onde as mesmas estão inseridas, com o intuito de valorizar todo contexto folclórico que deve ser preservado. Folclore não é apenas folguedos e festas. É uma pratica histórica construída pelos anseios, aspirações e esperanças de um povo, é uma linguagem na qual se manifesta a unidade que mobiliza multidões, que busca a sua verdade na identificação da cidadania, preservando seus valores e mantendo vivas suas raízes através das gerações.
O folclore assume grande importância na história de todos os povos, pois por meio desse conjunto pode-se conhecer a antiga cultura dos mesmos e a formação da cultura presente nos dias de hoje. Dentre as características que possui é possível identificar os fatos folclóricos a partir do anonimato, já que todos os componentes folclóricos são de autoria desconhecida; da aceitação coletiva, já que cada pessoa absorve a essência folclórica e a repassa aos outros a partir de seu entendimento próprio; e da transmissão oral, já que antigamente não havia meios de comunicação como na atualidade.

Referencias

SANTOS, José Luiz dos - O que é cultura. 6ª Ed. Editora Brasiliense, são Paulo -1987.
CARVALHO, André e David – Como brincar a moda antiga – Editora Lê - São Paulo - 1995, PP 94
LIMA, Claudia é graduada em Comunicação Social, Especializações em História da África e do Brasil e Mestrados em Gestão de Políticas Públicas pela Fundação Joaquim Nabuco e Ciências da Religião pela Universidade Católica de Pernambuco são: www.claudialima.com.br
XIDIEH, Oswaldo Elias. Semana Santa Cabocla: Instituo de Estudos Brasileiro-USP, 1972.
AMARAL, Amadeu. Tradições populares – Editora Hucitec: São Paulo, 1976.
JÚNIOR, ANEDOTÁRIO, Renato Maciel - Didática do folclore. Curitiba, Editora Arco-Íris, 1995 e 6ª ed. Rio de Janeiro, Editora Globo, 1997 .

[1] Coordenadora  Pedagógica da Emeb. Profª. Maria Barbosa Martins – Psicopedagoga com habilitação  nas  série iniciais  em Magistério e  Pedagogia -  Instituto cuiabana de Educação – Curso de Extensão: Educação Integral - UFMT

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto Hispano Hablante

Oficinas de Cururu e Siriri

Projeto " Xô Mosquito da Dengue"