Olimpiada da Escola Cidada Professora Maria Barbosa Martins

Simplesmente  OLIMBM – Um nome? Acreditamos  que não só isto, mas uma marca  que consolida  todos os Eventos que  nossa  Unidade  de Ensino tem, realizado nestes 11  anos de  sua existencia. Em sua  12ª Edição, pudemos reviver  momentos  significativos e o que  ja  representou por um  geração de  alunos, pais  e Comunidade  Escolar  Interna  e Externa. 
A ideia d e um Projeto que  cumprisse  com o papel  social  da  escola publica e  que promovesse  a interdisciplinaridade  educacional, fora idealizado pelo  Profº Claudinei da Silva Farina,  no  ano d e  2000.  Nasceu com um  ismples  Gincana  Escolar  nos  modelos  tradicionais  da  Época, porém na  segunda  edição  ganhou o Nome  de Olimpiada  Escolar  e o  Apelido  OLIMBM. A uma  geração  é  realizada  e todos  os  Gestores que  passaram  na  gestão  escolar   se  empenharam  para  que  sua  realização   seja um momento pelo qual  os  alunos de  todas  as idades, bem como seus familiares  e a comunidade  do Enterno  de  nosso Estabelecimento  Escolar, todos  esperam  e que nos  ultimos  anos  tem  cido a marca e a  culminancia de nosso  Ano Letivo, em exercicio.
Nosso Projeto, sempre  esteve  voltado para  as  discursões  e  estudos   sobre o Meio ambiente, privilegiando  a  Fauna e  a Flora,  uma vez  que  estamos  sediados  à  Margem  Direito do Histórico Rio Cuiabá, o qual tem  alimentado  gerações  nesta  nossa  Comunidade  Distrital  de  Bonsucesso.
No corrente  ano de  2011, e  tendo como estaudo principal   com metas  e ações  a serem  perseguidas  e cumpridas  o  Projeto A Cor da Cultura, voltamos nossos  olhares  para  o continente  Africano,  do  qual  temos   fortes   laços  familiares  e  oriente  na  formação  das  tradições  e cultura  brasileira.  A Africanidade  tem  fortes traço  em  nossas  gerações   passadas  e futura, com os  costumes.  Assim,  as  Equipes que  competiram  na  XII OLIMBM 2011,  tiveram  nomes  de  paises   africanos, onde  cada  equipe, estudou  um pouco  da historia,  geografia  e cultura das  nações  existente em territorios   africano.  Tendo como  objetivo,  trazer  a luz   no  universo de  cada  alunos,  a importancia  da  convivência  social, onde  todos os povos tenham os mesmos  direitos  e  acesso  as  riquezas materiais  e culturais numa partilha justa e harmoniosa.
Nosso  Projeto, segue uma politica  simples, os  docentes de todas  as  areas  do conheicmento academico,  são dividos juntamente com os  alunos em 4  Equipes, as  quais  levam nome e tem um Cor  Padrão.  E durante  4  meses   realizam  diversas  atividades preparatórias  para o  grand eEvento  que  tem sua duração  de  três dias.  A equipe  Gestora  da  Escola  compoem  o Grupo de  Trabalho de  Organizçaão  e Comissão reguladora. O Projeto  é piloto  da Disciplina  de Educação Física,  ficando sob  a coordenação do  Docnete  que  ocupa  a cadeira  de  Educação Fisica  na Escola.  Os paise/ou responsavel  são convocados  em Assembleia  Geral,  para   que compoem  em representações   a Comissão   Reguladora e  de  acompanhamento das  atividades durante o  Evento.  Um atividade  que antecede ao  evento  é  a Herança   do modelo Gincana  do Evento, com  a  colega de materiais pedagogicos  e de manutenção da  Undiade  Escolar, pelas  Equipes, a o final   do  Evento para  Definir o Vencedor de  1º, 2º e 3º Lugar. Aos produtos doados  a  escola pelas  equipes, são atribuido valores  em pontos, que  são  somados  e  a pontuação é somada  aos pontos  ganhos  nas  competições desportivas do eventos  e  assim definimos  a  classificação  geral  e final  do Evento.  O que  para  nossa  Comunidade Escolar  tem sido anos  de alegria  ao final  de  cada  ano Letivo  Escolar.
A XII- OLIMBM 2011,  como definido  no Projeto a Cor da Cultura, definidas  por sorteio contou  com  a participação das  seguintes  Equipes em suas competições:  Equipe GANA – Equipe Costa do Marfim – Equipe Marrocos  e Equipe  África  do Sul.
GANA
A história do Gana previamente ao último quarto do século XV deriva basicamente da tradição oral, que refere às migrações dos reinos antigos de Sahel — atualmente a Mauritânia e Mali.
O primeiro contato de Gana com os europeus data do ano de 1470, quando um grupo de portugueses desembarcou e começou a negociar com o Rei de "Elmina". Em 1482, os portugueses construíram o Castelo de São Jorge da Mina e tornou-se uma importante feitoria permanente. Em 1557 a 1578, os portugueses dominaram até Acra. Durante os seguintes 3 séculos, os ingleses, portugueses, suecos, dinamarqueses, holandeses e alemães controlaram várias partes da costa de Gana, naquele tempo chamada de Costa do Ouro. Os portugueses perderam grande parte da sua área de controle (incorporada na Costa do Ouro Portuguesa) em 1642 e foi cedida aos holandeses. No início do século XIX, os ingleses conseguiram dominar toda a Costa do Ouro, tornando-a numa colónia, afastando todos os concorrentes europeus e derrotando os reinos nativos (localizados no interior do país).
Em 1957 conquistou sua independência com o lema: "é melhor ser independente para governar sozinho, bem ou mal, do que ser governados pelos outros". O país foi renomeado para Gana devido às indicações que os atuais habitantes descendem de povos que se movimentaram para Sul do Império Gana. Um dos aspectos mais interessantes da história do Gana é o retorno de libertos afro-brasileiros, formando uma comunidade chamada Tabom, que inicialmente estabeleceu-se na capital Acra, no bairro de Jamestown.
Cultura
Talvez a mais visível (e vendável) contribuição cultural de Gana seja o tecido conhecido como kente, que é amplamente reconhecido por suas cores e simbolismo. O kente é feito por habilidosos tecelões ganenses, e os principais centros de tecelagem situam-se em volta da cidade de Kumasi (Bonwire é conhecida como a terra do kente, apesar de algumas áreas da região do rio Volta também reclamarem o título).
Ali se encontram vários tecelões produzindo longas peças de kente. Estas peças podem ser costuradas juntas para formarem os grandes turbantes que são usados por alguns ganenses (especialmente chefes) e são comprados por turistas em Acra e Kumasi.
Após a independência, a música de Gana floresceu, particularmente um estilo dançante chamado high life, que é muito tocado nos bares e clubes do país. Muitos ganenses são adeptos da percussão, e não é incomum escutarem-se tambores sendo tocados em eventos sociais.
COSTA DO MARFIM
A Costa do Marfim (em francês Côte d'Ivoire) é um país africano, limitado a norte pelo Mali e pelo Burkina Faso, a leste pelo Gana, a sul pelo Oceano Atlântico e a oeste pela Libéria e pela Guiné. Sua capital é Yamoussoukro.Denomina-se ebúrneo, marfinês, costa-marfinês ou ainda costa-marfinense a quem é natural da Costa do Marfim.
Apesar de comumente se usar em português o nome Costa do Marfim(Ivory Coast em inglês, Elfenbeinküste em alemão), o governo marfinês solicitou à comunidade internacional em outubro de 1985 que o país seja designado apenas por Côte d'Ivoire.
As populações indígenas estiveram política e socialmente isoladas até épocas muito recentes. Os antecessores da população atual se instalaram na área entre os séculos XVIII e XIX. Os exploradores portugueses chegaram no século XV e iniciaram o comércio de marfim e escravos do litoral. No século XVII estabeleceram-se diferentes Estados negros, entre os quais se destacou o dos baules por suas atividades artísticas. No final do século, os franceses fundaram os entrepostos de Assini e Grand-Bassam e, no século XIX, celebraram uma política de pactos com os chefes locais com o objetivo de estabelecer uma colônia. Em 1887 iniciou-se a penetração para o interior. A região se tornou uma colônia autônoma em 1893. Em 1899, passou a fazer parte da Federação da África Ocidental Francesa. A ocupação militar ocorreu entre 1908 e 1918, enquanto se construía a linha férrea entre o litoral e Bobo-Dioulasso, hoje pertencente a Burkina Faso.
Em 1919, a parte norte da colônia se tornou independente. Abidjan permaneceu sob jurisdição francesa durante a Segunda Guerra Mundial, embora a França estivesse ocupada pelos alemães. Em 1944, foi criado o Sindicato Agrícola Africano, que deu origem ao Partido Democrático da Costa do Marfim (Parti Démocratique de la Côte d'Ivoire). Entre 1950 e 1954, foi construído seu porto. Em 1958, foi proclamada a República da Costa do Marfim, como república autônoma dentro da Communauté française (Comunidade Francesa) e, em 1960, alcançou a independência plena.
Foi eleito presidente Félix Houphouët-Boigny, líder do Parti Démocratique de la Côte d'Ivoire--Rassemblement Démocratique Africain, até 1990 foi a única agremiação política legal no país. Com um alinhamento político pró-ocidental, a Costa do Marfim esteve em foco na década de 1970, ao tentar intervir pela via das negociações na resolução do apartheid na África do Sul.
As eleições de 1990, a primeira em que houve uma disputa real pelo poder, foram disputadas por todos os partidos políticos já legalizados, tendo o presidente Houphouët-Boigny sido reeleito para um sétimo mandato. Também em 1990 o Papa João Paulo II visitou a Costa do Marfim, onde consagrou, em Yamoussoukro, uma suntuosa basílica, oficialmente construída às expensas do presidente. Houphouët-Boigny, apesar de numerosas tentativas de golpes de estado e da instabilidade social provocada por crises econômicas, manteve-se no poder desde a independência até dezembro de 1993, quando faleceu.
O antigo presidente da Assembléia Nacional (Parlamento), Henri Konan Bedié, assumiu a presidência da República em 1993 e foi confirmado no cargo em 1995. No dia 24 de dezembro de 1999, um golpe de Estado, comandado pelo general Robert Guel (Robert Guéï), destituiu o presidente Konan Bedié, que se refugiou na Embaixada da França e depois no Togo. O general Guel convocou todos os partidos políticos para formarem um governo de transição e prometeu que o retorno à democracia seria rápido. Esse foi o primeiro golpe de estado no país desde a sua independência em 1960.
Robert Guéï foi assassinado durante um levantamento encabeçado pelo Movimento Patriótico da Costa do Marfim em 2002. Foi sucedido por Laurent Gbagbo.
A Costa do Marfim desempenha importante papel na África e dentro da Entente.
Guerra civil da Costa do Marfim (2002-2004): O norte se rebelou. 10.000 boinas azuis da ONUCM (Força de Paz da ONU na Costa do Marfim), dentre os quais 4600 soldados franceses da Licorne (operação militar francesa para a Costa do Marfim) foram posicionadas entre os beligerantes.
A Costa do Marfim situa-se em plena região tropical, com o clima habitual destas zonas; a temperatura média situa-se nos 30°C (descendo ligeiramente à noite) durante praticamente todo o ano, com exceção da estação das chuvas onde a temperatura baixa para os 25°C. Há duas estações de chuvas (de Maio a Agosto e, com menos intensidade, em Novembro). Há duas grandes zonas climáticas; no Norte a paisagem é árida sendo o clima quente e seco; o Sul é bastante úmido com vegetação muito rica.
O clima da costa do marfim é tropical, ao longo da costa é semi-árido no extremo norte, muito quente e seco, no norte durante o dia e a noite chega a quase entre 20 e 25°C. E no sul o clima já muda, é bastante úmido, o que possibilita o cultivo de plantas.
O Futebol é o esporte mais praticado do país, a seleção marfinense de futebol se classificou para as copas do mundo de 2006 e 2010, mas não conseguiu classificação para as oitavas de final, porém, venceu a Copa das Nações Africanas de 1992 e a seleção conta com as estrelas Didier Drogba, Salomon Kalou e Kolo Touré que brilham nos principais clubes da europa. O Rugby tem também papel de destaque na história esportiva da Costa do Marfim é um esporte bem disputado e foi introduzido no país pela colonização francesa, outros esportes ainda incluem o Basquetebol e Atletismo.

Marrocos
Marrocos (em árabe: المغرب, al-Maġrib; em berbere: Amerruk / Murakuc), oficialmente Reino de Marrocos[2] (em árabe: المملكة المغربية, al-Mamlakah al-Maġribiyya; em berbere: ⵜⴰⴳⵍⴷⵉⵜ ⵓⵎⵔⵔⵓⴽ, Tageldit n Umerruk) é um país localizado no extremo noroeste da África, estando limitado a norte pelo Estreito de Gibraltar (por onde faz fronteira com a Espanha), por Ceuta, pelo mar Mediterrâneo e por Melilla, a leste e a sul pela Argélia, a sul pelo Mauritânia através do Saara Ocidental (território que controla) e a oeste pelo Oceano Atlântico. A capital do país é a cidade de Rabat. Marrocos retirou-se da União Africana, quando o Saara Ocidental foi aceito como membro.
Marrocos, tal como grande parte do Norte de África esteve sucessivamente sob o domínio dos fenícios, do Império Romano e do Império Bizantino até à chegada dos árabes, que trouxeram o Islão e fundaram o reino de Nekor, nas montanhas do Rif, no século VII.
Os berberes, no entanto, assumiram o controle no século XI e governaram, não só Marrocos (agregando-lhe reinos vizinhos), mas também a parte sul da península ibérica, até ao fim do século XII.
Em 1415, Portugal vira os olhos para a África e empreende a conquista de Ceuta e, no século seguinte, a maior parte do litoral marroquino estava nas mãos de portugueses e espanhóis. Ceuta continua sob soberania espanhola até hoje.
Em 1904, na Conferência de Algeciras, a Inglaterra concedeu à França o domínio de Marrocos, cujo sultão tinha contraído uma grande dívida com aquele país da Europa (em troca, a França concordou que o Reino Unido governasse o Egipto). Em 1859, a Espanha anexara Marrocos, anexação essa que terminaria quando o sultão marroquino Moulay Abd al-Hafid aceitou em 1912 o estatuto de protectorado francês.
A seguir à Segunda Guerra Mundial, de acordo com a Carta do Atlântico (assinada em 1941 Winston Churchill e Franklin Delano Roosevelt, em 1941), as forças vivas de Marrocos exigiram o regresso do sultão Mohammed V e em 1955 a França, que já se encontrava a braços com insurreição na Argélia, concordou com a independência da sua colónia, que foi celebrada dia 2 de Março de 1956.
A mudança do controle francês sobre Marrocos para as mãos do sultão e do Partido Independentista Istiqlãl decorreu calmamente.
Em Agosto de 1957, Mohammed V transformou Marrocos em um reino, passando a usar o título de rei. Quando, em 1959, o Istiqlãl se dividiu em dois grupos (um, abrangendo a maioria dos elementos do Istiqlãl, conservador e obediente a Mohammed 'Allãl al-Fãsi, apoiante do rei; outro, de carácter republicano e socialista, que adoptou o nome de (União Nacional das Forças Populares), Muhammed aproveitou a oportunidade para distanciar a figura do rei dos partidos, elevando-o a um papel arbitral.
Tal manobra política contribuiu decisivamente para o fortalecimento da monarquia, como se verificou no referendo de 1962, já com Mulay Hassan, filho de Mohammed V (falecido em 1961), como rei Hassan II, em que foi aprovada uma constituição de cariz monárquico-constitucional.
Um ano após, foram realizadas eleições parlamentares que levaram a conjuntura política a um beco sem saída. Tal facto permitiu a concentração de poderes em Hassan II, como ficou demonstrado na Constituição de 1970, que não sobreviveu a uma tentativa de golpe de Estado, em 1971. Sucedeu-lhe uma outra Constituição em 1972, que só foi implementada efectivamente após outra tentativa de golpe de Estado em Agosto desse ano.
O ano de 1974 marcou o início de uma nova orientação da política de Hassan II, a partir do momento em que Marrocos declarou a sua pretensão sobre o Saara Espanhol, rico em minérios (sobretudo fosfato), pretensão essa que foi concretizada em Novembro de 1975, com o avanço da "Marcha Verde", constituída por 350 000 voluntários desarmados, sobre o protectorado da Espanha, que evitou o conflito e conduziu à assinatura de um acordo em que eram satisfeitas as ambições de Marrocos.
No entanto, muitos têm sido os obstáculos à política marroquina: primeiro, a luta da guerrilha Polisário (Frente Popular para a Libertação de Saguia e do Rio do Ouro), apoiada, quer pela Argélia, quer, mais tarde, pela Líbia, e que recusou, inclusive, os resultados de um referendo promovido por Hassan II em 1981; segundo, a condenação por parte das ONU; e, terceiro, a criação do Saara Ocidental em 1989, que tem obtido o reconhecimento de um número crescente de países.
Em 1994, o secretário-geral das Nações Unidas, Boutros Boutros-Ghali, propôs um aprofundamento das negociações com o objectivo de promover um processo de recenseamento eleitoral o mais completo possível, de modo a um futuro referendo ter uma legitimidade aceitável por ambas as partes.
Por último, é de salientar o papel que Marrocos tem desempenhado no importante processo de paz na Palestina, através de um relacionamento equilibrado entre Hassan II e as partes beligerantes, a Organização de Libertação da Palestina (OLP) e Israel, que permitiu, nomeadamente, o estabelecimento de interesses económicos naqueles países.
Cultura
Um dos grandes eventos de Marrocos é a ultra-maratona na areia, que é disputada no sul do país. Os competidores percorrem 206 quilómetros em seis etapas. Os participantes carregam uma mochila com todo o material necessário, mas só podem beber nove litros de água por dia. Tempestades de areia e bolhas nos pés são os maiores obstáculos. Em 1994, o vencedor foi o russo Andrei Derksen, com dezasseis horas e 55 minutos.
No jantar marroquino, as mesas geralmente não ficam preparadas, pois os pratos são trazidos pouco a pouco. Uma empregada ou um membro mais jovem da família (sempre uma mulher) traz uma bacia de metal com sabão no meio, às vezes feito de esculturas artesanais, e água em volta. As mãos são lavadas e uma toalha é oferecida para secá-las. Os marroquinos têm o costume de beber chá verde com hortelã (menta) e açúcar antes e depois da refeição. Agradecem a Deus dizendo bismillah. Eles comem primeiramente de um prato comunitário, com a mão direita, o polegar e os dois primeiros dedos. No fim das refeições, agradecem novamente dizendo all hamdu Lillah, que quer dizer: "graças a Deus" e repetem o ritual de lavar as mãos. 

Africa do Sul
A África do Sul, oficialmente República da África do Sul, é um país localizado no extremo sul da África, entre os oceanos Atlântico e Índico, com 2.798 quilômetros de litoral. É uma democracia parlamentar, limitado pela Namíbia, Botsuana e Zimbábue ao norte; Moçambique e Suazilândia a leste; e com o Lesoto, um enclave totalmente rodeado pelo território sul-africano.
A África do Sul é conhecida por sua diversidade de culturas, idiomas e crenças religiosas. Onze línguas oficiais são reconhecidas pela Constituição do país.[3] Duas dessas línguas são de origem europeia: o africâner, uma língua que se originou principalmente a partir do holandês que é falada pela maioria dos brancos e coloured sul-africanos, e o inglês sul-africano. O Inglês é a língua mais falada na vida pública oficial e comercial, entretanto, é apenas o quinto idioma mais falado em casa.
A África do Sul é um país multiétnico, com as maiores comunidades europeias, indianas e racialmente mistas da África. Embora 79,5% da população sul-africana seja negra, os habitantes são de diferentes grupos étnicos que falam línguas bantas, um dos nove idiomas que têm estatuto oficial. Cerca de um quarto da população do país está desempregada e vive com menos de US$ 1,25 por dia.
A África do Sul é uma democracia constitucional, na forma de uma república parlamentar; ao contrário da maioria das repúblicas parlamentares, os cargos de chefe de Estado e chefe de governo são mesclados em um presidente dependente do parlamento. É um dos membros fundadores da União Africana e é a maior economia do continente. É também membro fundador da Organização das Nações Unidas e da NEPAD, além de ser membro do Tratado da Antártida, do Grupo dos 77, da Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul, da União Aduaneira da África Austral, da Organização Mundial do Comércio, do Fundo Monetário Internacional, do G20, do G8+5 e é uma das nações BRICS.
Pré-história
Os seres humanos modernos habitam a África Austral há mais de 100.000 anos. Na época do contato com os Europeus, os povos indígenas dominantes eram tribos que migraram de outras partes da África há cerca de mil anos antes da colonização europeia. Entre os séculos IV e V, tribos falantes do Bantu vieram para o sul, onde deslocaram, conquistaram e assimilaram os povos originários da África Austral. Na época da colonização europeia, os dois maiores grupos eram os povos Zulu e Xhosa.
Colonização e Guerra dos Boers
Em 1652, um século e meio após a descoberta da Rota Marítima do Cabo, a Companhia Holandesa das Índias Orientais fundou uma estação de abastecimento que mais tarde viria ser a Cidade do Cabo.[10] A Cidade do Cabo tornou-se uma colônia britânica em 1806. A colonização européia expandiu-se na década de 1820 com os Bôeres (colonos de origem Holandesa, Flamenga, Francesa e Alemã) enquanto os colonos Britânicos se assentaram no norte e no leste do país. Nesse período, conflitos surgiram entre os grupos Xhosa, Zulu e Afrikaners que competiam por território.
Mais tarde, a descoberta de minas de diamante e de ouro desencadeou um conflito do século XIX conhecido como Segunda Guerra dos Bôeres, quando os Bôeres e os Britânicos lutaram pelo controle da riqueza mineral do país. Mesmo vencendo os Bôeres, os Britânicos deram independência limitada à África do Sul em 1910, como um domínio britânico. Durante os anos de colonização Holandesa e Britânica, a segregação racial era essencialmente informal, apesar de algumas leis terem sido promulgadas para controlar o estabelecimento e a livre circulação de pessoas nativas.
Apartheid
Nas repúblicas Bôeres, já a partir do Tratado de Pretória (Capítulo XXVI), os subsequentes governos sul-africanos tornaram o sistema de segregação racial legalmente institucionalizado, o que mais tarde ficou conhecido como apartheid. O governo então estabeleceu três categorias de estratificação racial: brancos, colorados e negros, com direitos e restrições específicos para cada categoria.
Placa da era do Apartheid: "For use by persons
Em portugues: Para uso de pessoas brancas.
A África do Sul abandonou a Commonwealth em 1961, na sequência de um referendo (onde, obviamente, só pôde participar a comunidade branca) que ditou a proclamação da república. Apesar da oposição dentro e fora do país, o governo manteve o regime do apartheid. No início do século XX alguns países e instituições ocidentais começaram a boicotar os negócios com o país por causa das suas políticas de opressão racial e de direitos civis. Após anos de protestos internos, ativismo e revolta de sul-africanos negros e de seus aliados, finalmente, em 1990, o governo sul-africano iniciou negociações que levaram ao desmantelamento das leis de discriminação e às eleições democráticas de 1994. O país então aderiu à Comunidade das Nações.
Em 1983, é adotada uma nova constituição que garante uma política de direitos limitados às minorias asiáticas, mas continua a excluir os negros do exercício dos direitos políticos e civis. A maioria negra, portanto, não tinha direito de voto nem representação parlamentar. O partido branco dominante, durante a era do apartheid, é o Partido Nacional, enquanto a principal organização política negra era o Congresso Nacional Africano (ANC), que durante quase 50 anos foi considerado ilegal.
Mais tarde, em 1990, sob a liderança do presidente F. W. de Klerk, o governo sul-africano começa a desmantelar o sistema do apartheid, libertando Nelson Mandela, líder do ANC, e aceitando legalizar esta organização, bem como outras antiapartheid.
Os passos seguintes no sentido da união nacional são dados em 1991. A abertura das negociações entre os representantes de todas as comunidades, com o objetivo de elaborar uma Constituição democrática, marca o fim de uma época perturbada na África do Sul que iniciou-se em 1948 e teve seu fim em 1990, 42 anos, época esta chamada de Apartheid, que numa tradução para o português seria "segregação racial"
No dia 10 de abril de 1993, um dos principais líderes do movimento negro da África do Sul, Chris Hani, tombou vítima de dois tiros, diante da própria residência. O que seus assassinos não previram é que essa morte acabaria por acelerar o fim do apartheid.
Em 1993, o governo e a oposição negra acordam nos mecanismos que garantam a transição para um sistema político não discriminatório. É criado um comité executivo intermediário, com maioria negra, para supervisionar as primeiras eleições multipartidárias e multirraciais, e é criado, também, um organismo que fica encarregado de elaborar uma Constituição que garanta o fim do Apartheid.
Pós-apartheid
Em Abril de 1994 fazem-se eleições multirraciais para o novo Parlamento. O ANC ganha as eleições e Nelson Mandela, formando um Governo de unidade nacional, torna-se o primeiro presidente sul-africano negro. Em 2004, ano em que Thabo Mbeki completou cinco anos como sucessor de Nelson Mandela, o presidente da república da África do Sul prometeu acabar com toda a violência de carácter político que ainda possa existir no país. Mbeki demitiu-se do cargo em 20 de Setembro de 2008 após pressões do seu próprio partido sob acusação de interferência no poder judicial. Dois dias depois o ANC apontou Kgalema Motlanthe para chefe-de-estado.
Em Abril de 2010 foi assassinado o líder de extrema-direita Eugène Ney Terre'Blanche, que defendia a supremacia branca no país. O acontecimento marca o aumento da violência e da tensão racial no país. Terreblanche foi encontrado morto na sua casa, no nordeste do país, com ferimentos na cabeça. O assassinato foi atribuído a dois dos seus empregados.
Geografia
A África do Sul está localizada no extremo sul do continente africano, com uma região costeira que se estende por mais de 2500 km, sendo também banhada por dois oceanos (Atlântico e Índico). Com uma extensão territorial de 1 219 912 km². O país é o 25.º maior do mundo em área.
A África do Sul tem uma paisagem variada. Na parte ocidental, estende-se um grande planalto composto em parte por deserto e em parte por pastagens e savanas, cortado pelo curso do rio Orange e do seu principal afluente, o Vaal. A sul, erguem-se as cordilheiras do Karoo e, a leste, o Drakensberg, a maior cadeia montanhosa da África meridional, onde situa-se o ponto mais elevado do país no Mafadi com 3450 metros, na fronteira África do Sul-Lesoto. A norte, o curso do rio Limpopo serve de fronteira com o Botsuana e o Zimbabué.
O clima varia entre uma pequena zona de clima mediterrânico, no extremo sul, na região do Cabo, a desértico a noroeste. No Drakensberg há áreas com clima de montanha e neve nos pontos mais elevados, comumente no inverno.
A maior cidade é Joanesburgo. Cidade do Cabo, Durban, Bloemfontein e Pretória são outras cidades importantes. A administração oficial (governo, tribunais, presidência e parlamento) encontra-se dispersa por Pretória (sede do Poder Executivo), Cidade do Cabo (sede do Poder Legislativo) e Bloemfontein (sede do Poder Judiciário).
Em 1998, através da Lei n.º 118, foi criado o Conselho Sul-africano de Nomes Geográficos, com o objetivo de propor a mudança dos nomes de cidades, províncias e acidentes geográficos, substituindo nomes em Inglês e em Africâner por nomes baseados em línglas africanas. Muitas alterações já foram aprovadas, outras estão em estudo. Em breve, as grandes cidades do país poderão ser conhecidas como Tshwane (Pretória), Nelson Mandela Bay (Port Elizabeth), KwaKhangela (Durban), Mangaung (Bloemfontein)[19], eMonti (East London), Mbombela (Nelspruit e Polokwane (Pietersburg), dentre outras.
Grupos étnicos
De longe, a parte maior da população se auto-classifica como Africano ou negro, mas esse grupo não é culturalmente ou linguisticamente homogêneo. Os principais grupos étnicos incluem os Zulus, Xhosas, Basothos (Sotho do Sul), Bapedis (Sotho do Norte), Vendas, Tswanas, Tsongas, Ndebeles e Swazis, que falam línguas bantu.
Alguns grupos como os Zulus, Xhosas, Bapedis e Vendas são exclusivos da África do Sul. Outros grupos são distribuídos através das fronteiras com os países vizinhos da África do Sul: o grupo Basotho também é o principal grupo étnico no Lesoto. O grupo étnico Tswana constitui a maioria da população de Botswana. O grupo étnico Swazi é o principal grupo étnico da Suazilândia. O grupo étnico Ndebele também é encontrado em Matabeleland no Zimbabué, onde eles são conhecidos como Matabele. Estes povos Ndebele são descendentes de uma facção Zulu sob o guerreiro Mzilikazi que escaparam da perseguição de Shaka, migrando para o seu território atual. O grupo étnico Tsonga também é encontrada no sul de Moçambique, onde eles são conhecidos como Shangaan.
A população branca não é etnicamente homogênea e descende de muitos grupos étnicos: holandeses, flamengos, portugueses, noruegueses, alemães, gregos, franceses huguenote, ingleses, polacos, irlandeses, italianos, escoceses e galeses. Há também um substancial (embora reduzida) população judaica, a maioria dos quais vieram da Lituânia, na virada do século XX, embora outros vieram depois e, posteriormente, do Reino Unido, da ex-União Soviética e de Israel. Cultural e linguisticamente eles são divididos em africânderes, que falam africâner, e grupos que falam inglês, muitos dos quais são descendentes de imigrantes ingleses e irlandeses. Muitas comunidades pequenas que imigraram no século passado conservam a utilização de outros idiomas. A população branca está diminuindo devido a uma baixa taxa de natalidade e pela emigração, como um fator em sua decisão de emigrar, muitos citam a elevada taxa de criminalidade e as políticas de ação afirmativa do governo. Desde 1994, cerca de 1.000.000 de brancos sul-africanos emigraram permanentemente do país.
Apesar dos níveis elevados da emigração, um elevado número de imigrantes brancos não-Sul Africanos se instalaram no país, em especial de países como Reino Unido e Zimbábue. Por exemplo, em 2005, havia cerca de 212.000 cidadãos britânicos residentes na África do Sul. Desde 2003, o número de imigrantes britânicos que vêm para a África do Sul aumentou 50%. Estima-se 20.000 imigrantes britânicos mudaram-se para a África do Sul em 2007. Houve também um número significativo de branco chegados do Zimbabué, que fogem do seu país de origem à luz dos problemas econômicos e políticos que o país enfrenta atualmente. Bem como os recém-chegados, um número significativo de zimbabueanos brancos emigrou para a África do Sul, na sequência da independência do Zimbábue em 1980. Alguns dos membros mais antigos da comunidade são conhecidos na cultura popular como "Whenwes", por causa de sua nostalgia por suas vidas na Rodésia, "quando estávamos na Rodésia...".
Não houve outras ondas de imigração branca para África do Sul nas últimas décadas. Na década de 1970, muitos moradores das colônias portuguesas na África, como Angola e Moçambique, vieram morar na África do Sul após a independência das nações. Além disso, o governo do apartheid incentivou a imigração do Leste Europeu nos anos 1980 e início dos anos 1990, particularmente da Polônia e da Hungria.
Não houve outras ondas de imigração branca para África do Sul nas últimas décadas. Na década de 1970, muitos moradores das colônias portuguesas na África, como Angola e Moçambique, vieram morar na África do Sul após a independência das nações. Além disso, o governo do apartheid incentivou a imigração do Leste Europeu nos anos 1980 e início dos anos 1990, particularmente da Polônia e da Hungria.

Grupos étnicos na África do Sul
79,4%
9,2%
8,8%
2,6%
O termo "colorado" é usado ainda para as pessoas de raça mista descendentes de escravos trazidos da África Oriental e Central, os khoisan indígenas que viviam no Cabo na época, Bantus, brancos (principalmente os holandeses/africânder e os colonos ingleses) bem como uma mistura de javaneses, malaios, indianos, malgaxes e asiáticos (como da Birmânia). A maioria fala africâner. Khoisan é um termo usado para descrever dois grupos separados, fisicamente semelhantes: pele clara e pequena estatura. Os Khoikhoi, que foram chamados hotentotes pelos europeus, eram pastores e foram aniquilados, os San, chamados bosquímanos pelos europeus, eram caçadores-coletores. Dentro da comunidade coloradas, entre os imigrantes mais recentes também são encontrados mestiços da antiga Rodésia (atual Zimbábue), Namíbia e imigrantes de ascendência mista da Índia e da Birmânia (Anglo-Indianps/Anglo-Burmeses), que foram acolhidos para o Cabo, quando a Índia e a Birmânia conquistaram sua independência.
A maior parte da população asiática sul-africana é de origem indiana, muitos deles descendentes de trabalhadores contratados trazidos no século XIX para trabalhar nas plantações de açúcar da zona costeira oriental então conhecida como Natal. Graves distúrbios em Durban entre indianos e Zulus eclodiu em 1949. Há também um grupo significativo de sul-africanos chineses (cerca de 100 mil indivíduos) e do Vietnam (cerca de 50.000 indivíduos). Em 2008, o Supremo Tribunal de Pretória determinou que os chineses sul-africanos que chegaram antes de 1994 deviam ser reclassificados como mestiços. Como resultado desta decisão, cerca de 12.000-15.000, os cidadãos etnicamente chineses que chegaram antes de 1994, totalizando 3%-5% do total da população chinesa no país.
África do Sul abriga uma considerável população de refugiados e requerentes de asilo. Segundo a World Refugee Survey 2008, publicado pelo Comitê estadunidense para Refugiados e Imigrantes, esta população era de aproximadamente 144.700 pessoas em 2007. Grupos de refugiados e requerentes de asilo que somam mais de 10.000 pessoas incluídas do Zimbábue (48.400), República Democrática do Congo (24.800) e Somália (12.900). Estas populações viviam principalmente em Joanesburgo, Pretória, Durban, Cidade do Cabo e Port Elizabeth.
Problemas sociais
Favela em Soweto, Joanesburgo
Segundo uma pesquisa para o período 1998-2000 elaborada pela Organização das Nações Unidas, a África do Sul foi classificada em segundo lugar em assassinatos e em primeiro para assaltos e estupros per capita. As estatísticas oficiais mostram que 52 pessoas são assassinadas todos os dias na África do Sul. O número relatado de estupros por ano é de 55.000 e estima-se que 500 mil estupros são cometidos anualmente no país.O total de crimes per capita é o 10º entre os 60 países no conjunto de dados.
O estupro é um problema comum na África do Sul, em uma pesquisa de 2009 um em cada quatro homens sul-africanos admitiram ter estuprado alguém. Um em cada três das 4.000 mulheres inquiridas pela Comunidade da Informação, Capacitação e Transparência disse que tinha sido violada no ano passado. A África do Sul tem uma das maiores incidências de estupros de crianças e bebês no mundo. Em um levantamento realizado entre 1.500 crianças escolares no township de Soweto, um quarto de todos os meninos entrevistados disseram que "jackrolling", um termo para estupro em grupo, era algo divertido.
A classe média do país busca segurança em condomínios fechados. Muitos emigrantes da África do Sul também afirmam que o crime foi um grande motivador para eles saírem do país. O crime contra a comunidade agrícola continua a ser um grande problema. Outro problema enfrentado pelo país é a forte desigualdade social e econômica; as cidades sul-africanas Buffalo City, Johannesburgo e Ekurhuleni foram apontadas como as mais desiguais do mundo, segundo relatório da ONU divulgado em 2010.
Junto com muitos países Africanos, a África do Sul vem experimentando uma "fuga de cérebros" nos últimos 20 anos. Isso acreditado como potencialmente prejudicial para a economia regional, e é quase certamente prejudicial para o bem-estar da maioria das pessoas que dependem da infra-estrutura de saúde, tendo em conta a epidemia de HIV/AIDS. A fuga de cérebros na África do Sul tende a demonstrar contornos raciais (naturalmente, dado o legado de distribuição de competências da África do Sul) e tem, portanto, resultado em grandes comunidades de brancos sul-africanos no exterior.

Cultura

Não existe uma única cultura sul-africana, devido à diversidade étnica do país, e cada grupo racial tem a sua própria identidade cultural. Isto pode ser apreciado nas diferenças na alimentação, na música e na dança entre os vários grupos. Há, no entanto, alguns traços unificadores.
Culinária
A culinária sul-africana é fortemente baseada em carne e gerou a reunião social tipicamente sul-africana chamada braai. A África do Sul também se tornou um grande produtor de vinho, possuindo algumas das melhores vinhas do mundo nos vales em torno de Stellenbosch, Franschoek e Paarl.

Música

Existe uma grande diversidade na música da África do Sul. Muitos músicos negros que cantavam em africâner ou inglês durante o apartheid passaram a cantar em línguas africanas tradicionais, e desenvolveram um estilo único chamado kwaito. Digna de nota é Brenda Fassie, que alcançou fama graças à sua canção "Weekend Special", cantada em inglês. Músicos tradicionais famosos são os Ladysmith Black Mambazo, e o Quarteto de Cordas do Soweto executa música clássica com sabor africano. Os cantores sul-africanos brancos e mestiços tendem a evitar temas musicais tradicionais africanos, preferindo estilos mais europeus. Existe um bom mercado para música africâner, que cobre todos os géneros da música ocidental.
Fonte: www.http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81frica_do_Sul

OLIMBM  NO  TEMPO EM 2000 O  INICIO:
OLIMBM 2004


Pira Olimpica sendo acendida pela Nossa
 Ex-aluna Micheila, hoje Universitaria

Advento da Escola  Cidadã em 2002 -
 Apresentação de nossa proposta para  o Hino da Escola Cidadã Guaná de V. Grande

OLIMBM EM  2003 CERIMONIA DE ABERTURA

5ª  OLIMBM 2004 - JOGO DE MÃES. SEMPRE FOI UMA  FESTA!

Jogo de Futsal de  Mães em 2004

OLIMBM 2011:





Enceramento da OLIMBM de 2003 -
Nosso Ex-aluno Robson Ribeiro - Jogador de Futebol.



XII - OLIMBM - 2011:


















Apoio:


www.bonsucessomt.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto Hispano Hablante

Oficinas de Cururu e Siriri

Projeto " Xô Mosquito da Dengue"